quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Tempo de Ser Benfiquista

É num momento particularmente importante da época do Benfica que vos escrevo este post. Estamos em segundo, a apenas um ponto do líder, o FC Porto, e com três pontos de avanço sobre o Leixões e o Sporting, com quem jogaremos o grande derby deste sábado. O campeonato segue já na segunda volta, mais precisamente com 18 jornadas decorridas. Foi mais ou menos por esta altura que, há exactamente quatro anos, 6 milhões em Portugal acreditaram que era possível voltar a ganhar. Sem querermos, ou sabermos, dissemos Yes, we can!, e sem darmos por isso, levámos o Benfica ao colo rumo ao título. Poderá este ano ser novamente assim? Eu acho que depende de nós. Nessa medida, o futuro parece animador, apesar das dificuldades que se estão para vir.

Depois de devidamente superadas as contrariedades na Taça de Portugal e na UEFA, resta-nos a prova rainha, o Campeonato, e a Taça da Liga, que apesar de não considerar uma competição muito importante, penso que dever-se-ia investir nela esta época visto que o plantel é extenso e já não tem muitos jogos a fazer. Será uma final a realizar no Estádio do Algarve com o nosso eterno rival, o Sporting. Relembro que é a primeira vez em quatro anos que o Benfica se encontra numa final, e acredito que a conquista desta mesma poderá ter um efeito catalisador para o futuro, tornando esta equipa numa equipa ganhadora, tal como aconteceu com a famosa base de Camacho.Além disso, o que os adeptos querem são vitórias, são títulos, é um futebol bonito, e isso leva mais gente aos estádios, não só da Luz, mas também ao dos nossos adversários, que têm medo de jogar contra um mar vermelho, à semelhança do que aconteceu em 2005, na altura do título de Trap.

Lutaremos claro, porque “somos de um clube lutador”, contra aqueles que se coloquem à nossa frente e que tenham por intenção impedir que cheguemos à promised land: Xistras, Lucílios, Henriques, Gomes, Elmanos, Olegários, Proenças, todos. Fomos beneficiados em poucos jogos, mais precisamente em um, contra o Sporting de Braga, é verdade, por um dos filhos do Apito Dourado, o Paulo Baptista, mas a quantidade de vezes que fomos prejudicados é muitíssimo maior. Como ficou provado frente ao Nacional, ao Setúbal, ao Porto, ao Leixões, etc, por vezes não é só contra os nossos adversários que temos de jogar. É também contra “os outros”.

Mas dizia que para que tal sonho se volte a realizar, é preciso primeiramente que os benfiquistas se unam (pois, por vezes, somos o nosso pior inimigo), que olhem todos para diante, isto sem nunca perder o espírito crítico positivo em relação à estrutura e funcionamento daquele que acreditamos ser o maior e melhor clube do Mundo e sem também deixar passar em branco todos os actos incorrectos e que infringem com as leis e com o bom funcionamento do futebol português, desde à passividade de uns que se escondem e se tornam subservientes daqueles que na realidade deveriam ser os seus rivais também, aos actos de corrupção de outros, ou até mesmo os salários em atraso de terceiros.

E é precisamente revendo a nossa própria História que nos encontraremos connosco mesmos: teoricamente, nunca fomos, desde início, o clube que iria ganhar a tudo e a todos. Não começámos com muito dinheiro. Não começámos com as melhores instalações. Não tínhamos sequer campo próprio, ou banhos de água quente para os atletas. Não planeámos a formação de um clube nos salões de Lisboa, nem em grandes jantares. Não. Foi numa simples farmácia de Belém. E apenas com o querer de um grupo de 24 homens, entre os quais se destacava Cosme Damião.

Desde início foram tantas as dificuldades: os nossos campeonatos eram propriedade dos ingleses que faziam o que queriam de nós: jogavam quando queriam, como queriam e ganhavam de qualquer das maneiras. Mas nós reagimos. Mas nós revoltámo-nos. E montámos aquela que seria a primeira equipa a derrotar os ingleses. E assim fomos seguindo o nosso caminho. Ganhámos os campeonatos de Lisboa, o Campeonato Nacional, a Taça de Portugal, a Supertaça, a Taça dos Campeões Europeus, a Taça Latina e muito mais. Palmarés vastíssimo o do nosso ecléctico clube. Os ingleses foram-se, mas hoje, o nosso futebol está novamente minado de outros ingleses, cuja bandeira é a da corrupção. Tal como no início do século XX, eles jogam quando querem, pedindo o adiamento dos seus jogos ou provocando os outros clubes a adiar as suas partidas, e acham que os meios que utilizam para chegarem aos fins que pretendem são adequados e justos. Mas, tal como no passado, reagiremos e lutaremos.

Mas dizia que esse sentimento crescente de esperança, de união e de vitória que se conseguiu, pouco a pouco, foi alastrando a uma sociedade inteira, tanto que nos anos 40, 50 e 60, mesmo num país dividido política, social e economicamente, havia um denominador comum a muita gente: o Benfica. Era o Benfica que unia um país dividido. Era o Benfica que dava esperança a quem não a tinha. Quem não sabe como as pessoas paravam para ver o Benfica na televisão? Quem é que não sabe que quando o Benfica jogava, se perguntava “por quantos é que ganhámos?” e não “hoje ganhámos?”? É esse o Benfica que queremos hoje. Queremos o Benfica que tinha o estádio sempre cheio, que tinha uma dimensão europeia intocável e que ganhar 8-0 a uma equipa de outro país não era uma meta impossível. Queremos dentro de campo figuras míticas como Eusébio, Coluna, Humberto, Rui Costa.

E, para que tal suceda, é preciso criar as condições necessárias. E foram efectivamente criadas! O Benfica recuperou da pior crise financeira de sempre, consolidou as contas, montou uma equipa ganhadora, maioritariamente composta de portugueses, construiu um novo estádio, mobilizou milhares de não-sócios tornando-os sócios, construiu um complexo de treinos, o Caixa Futebol Campus, modernizou o seu Jornal, revelou uma nova revista e foi pioneiro no lançamento do primeiro canal televisivo de um clube em Portugal. Mas, mais importante que tudo, salvámos as modalidades: do Basquetebol ao Andebol, passando pelo Hóquei em Patins, o Benfica estava numa situação miserável. E foi tudo reabilitado. No Basquetebol, hoje temos a melhor equipa portuguesa, indiscutivelmente (21 vitórias em 21 jogos); no Andebol, acabámos com uma agonia de 18 anos sem sermos campeões graças ao mágico Aleksandr Donner; no Voleibol, voltámos a ser campeões e a ganhar a Taça; no Hóquei, que esteve à beira do fim, voltámos a ombrear com o FCP, fazendo sempre frente ao Sistema que continua instalado nesta modalidade; o Râguebi tornou-se mais forte; o Futsal é de impor respeito a qualquer um, depois de tantas taças e campeonatos ganhos nos últimos anos; o Atletismo, o Triatlo, o Ciclismo, o Judo, o Ténis de Mesa, todos estão claramente a progredir. Tivemos uma prestação soberba nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008, o que fez com que o nosso clube trouxesse mais medalhas que o nosso próprio País.

Já passámos por tanto ao longo da nossa história... desde a deserção de oito jogadores para um clube que lhes oferecia banho de água quente no final dos jogos, à derrota em seis finais europeias, aos 7-1 infligidos pelo Sporting, a sucessivos desfalques e roubos de um dos nossos presidentes, aquele que em primeiro lugar se prontificou a lutar contra o clube da nova ditadura (futebolisticamente falando) em Portugal, e, até mesmo à morte de um dos nossos em campo.

O que hoje vivemos, comparado com o que viveram os grandes benfiquistas do passado, não é nada. Se nos deitarem abaixo, devemos reagir, levantar. Se nos baterem outra vez, reagiremos novamente, seguiremos caminho. E ganharemos.

Olhemos para o passado para aprender de novo. O que não nos mata, torna-nos mais fortes.

Louvo por isso a equipa técnica do Benfica, especialmente Quique Sanchez Flores, homem de ideias firmes, coerente e que acredito saber o que quer para o Benfica, com realismo e com serenidade. Amado por uns, criticado por outro, Quique sabe o que é melhor para o Benfica. Quando elogia, dá motivação. Quando critica, consegue espicaçar os jogadores, feri-los no orgulho, tornando-os mais fortes de jogo para jogo. Não lhe peçam para ser consensual. Nunca ninguém o conseguiu ser. Também congratulo Rui Costa, administrador da SAD e director desportivo do nosso clube, um filho da casa, o meu ídolo no futebol, um homem de valores e que zela pelo nosso clube, pondo-o sempre à frente dos seus interesses pessoais, como foi sabido aquando da sua transferência para Florença e não para o dream team de Cruiff, em Barcelona. E, por fim, também devo dar uma palavra de apoio, de confiança e de gratidão a Luís Filipe Vieira, presidente do Sport Lisboa e Benfica, o homem sob o leme do qual voltámos a conquistar todos os títulos a nível nacional, se bem que tenham sido poucos, é verdade, mas com o qual começámos a reestabelecer a dignidade, a força e a mística quase perdidas com João Vale e Azevedo. São 9 anos de Benfica que Luís Filipe Vieira leva, 6 deles enquanto presidente e três como segunda figura, mas que sabemos bem que era ele que mandava e não Vilarinho. É dos mandatos mais longos da história do nosso clube, apenas ultrapassado por Bento Mântua, o que é sinal de estabilidade e não de estagnação.

Escrevo isto sem esquecer os jogadores, em especial aqueles que têm mais anos de Benfica e que por isso conseguem entender perfeitamente a mística do clube. Falo de Nuno Gomes, capitão, jogador de equipa, máximo marcador do campeonato português em actividade e ser humano de grandes qualidades, defendendo aquilo que acha ser o mais justo: desde a paralisação do campeonato por salários em atraso, às críticas internas sobre o facto de não deixarem os jogadores do Benfica trabalhar com tranquilidade e até mesmo as críticas a pseudo-treinadores de futebol cuja função de apanhar e distribuir pinos era feita na perfeição, mas comandar um grupo de homens é tarefa muito árdua. Falo de Carlos Queiroz. Por alguma razão Nuno Gomes está excluído da “selecção de todos nós”, (ou seja, portugueses e brasileiros também). Continuando nos jogadores, o meu “obrigado” a Luisão, capitão sem braçadeira, o homem que, se for preciso, dá o murro na mesa. Que estes dois exemplos inspirem Miguel Vítor e Rúben Amorim entre outros jogadores e futuros atletas do Benfica, mas especialmente estes dois que referi, pois possuem uma qualidade intrínseca que mais nenhum jogador do Benfica (posso estar enganado) possui: são realmente benfiquistas, desde pequeninos. Que a sorte e a coragem os acompanhe para daqui a vinte anos os recordarmos juntamente naquela restrita galeria dos eternos.

Por fim, uma palavra também para a blogosfera benfiquista. Sim, para vocês que nos lêem e que se calhar até têm um blog como nós: temos muito mais força do que aquilo que pensamos. Não sabemos é utilizá-la. Experimentem colocar todos o mesmo post, no mesmo dia, com a mesma mensagem de apoio ou de ida ao Estádio da Luz. Estou certo que os resultados seriam certamente gratificantes.

Este texto é também um teste à vossa resistência e paciência: se o leram integralmente até este ponto em que vos escrevo, sei que apoiarão o Benfica, seja na Luz, em Alvalade, no Dragão, em Braga, em Setúbal, onde for preciso. Porque eu acredito. Porque eu tenho na alma a chama imensa.

“Esta é a nossa oportunidade de responder a esta chamada. Este é o nosso momento.”

É por isso que eu digo que é tempo de Ser Benfiquista.

Um por todos.

E Pluribus Unum

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Competições Europeias, dois meses depois

Dois meses depois de o Benfica ter sido eliminado das provas europeias é importante analisar o estado dos nossos adversários. Fazemos este exercício em vésperas de uma jornada europeia e comparamos também os casos de Sporting, FC Porto e Sp. Braga. Nesta análise veremos os adversários das equipas portuguesas, a sua classificação nos respectivos campeonatos bem como a percentagem de pontos ganhos nessa prova. Este estudo abrange os adversários que as equipas portuguesas encontraram nas fases de grupos das competições em que participavam.

SL Benfica

Olympiakos (1º classificado na Grécia) 86,4%
Metalist Kharkiv (2º classificado na Ucrânia) 72,5%
Herta Berlin (1º classificado na Alemanha) 66,7%
Galatasaray (4º classificado na Turquia) 61,7%
Média de classificação: 2º lugar
Total: 71,8%

Sporting CP

FC Barcelona (1º classificado em Espanha) 87%
Basel (2º classificado na Suíça) 65%
Shaktar Doneskt (4º classificado na Ucrânia) 60,8%
Média de classificação: 2,33º lugar
Total: 70,9%

FC Porto

Arsenal (5º classificado em Inglaterra) 58,7%
Dymano Kyiv (1º classificado na Ucrânia) 84,3%
Fenerbahçe (4º classificado na Turquia) 61,7%
Média de classificação: 3,33º lugar
Total: 68,2%

SC Braga

Portsmouth (15º classificado em Inglaterra) 36%
Heerenveen (5º classificado na Holanda) 60,9%
AC Milan (3º classificado em Itália) 62,5%
Wolfsburg (6º classificado na Alemanha) 55%
Média de classificação: 7,25º lugar
Total: 53,6%

Concluindo:

Os adversários do Benfica eram os mais fortes. Entre eles encontravam-se o actual líder do campeonato alemão e o líder destacadíssimo do campeonato grego. Dos adversários turcos de Benfica e Porto, o grau de dificuldade era aproximadamente o mesmo, uma vez que no campeonato têm o mesmo número de pontos. Dos adversários ucranianos de Benfica, Sporting e Porto, o dos dragões era o mais difícil, seguindo-se o do Benfica, pois terminou em segundo enquanto que o do Sporting em quinto apenas. Dos adversários alemães de Benfica, Sporting e Braga, o do Benfica está em primeiro, o do Sporting em quarto e do Braga em sexto.

Os adversários do Benfica têm uma maior percentagem de pontos ganhos nos seus campeonatos que os de Sporting, Porto e Braga.

Dos adversários do Sporting, apenas o Barcelona não estava ao alcance dos leões. De resto, Basileia e Shaktar eram equipas mais fáceis que qualquer uma do grupo do Benfica.

Dos adversários do FC Porto, o Fenerbahçe equivale-se ao Galatasaray assim como o Dynamo para o Metalist. O Arsenal é o mais fraco dos últimos dez anos, não tendo nenhuma grande referência futebolística no seu plantel. Tiveram Tony Adams, Sol Campbell, Ashley Cole, Patrick Vieira, Robert Pires, Dennis Bergkamp, Thierry Henry, mas hoje já nenhum deles está presente. Rosicky e Adebayor são os melhores, mais ainda assim não são referências para o grande Arsebnal. Muito fraco este Arsenal, que, ainda assim, deu água pela barba aos dragões.

O grupo do Braga, que até parecia bem difícil acabou por revelar-se muito frágil: o AC Milan está a desiludir, tendo feito uma fraca prestação tanto na UEFA como em Itália; o Portsmouth está a fazer um mau campeonato em Inglaterra apesar da boa equipa que parece ter; o Wolfsburg é bem mais fraco que o Herta; e por fim o Heerenveen, equipa com muita rodagem na Taça UEFA mas que ainda assim pertence ao fraco campeonato holandês, onde os golos surgem em catadupa não por culpa dos atacantes mas devido às fracas defesas desse campeonato. Não será por acaso que o Setúbal conseguiu marcar por duas vezes na Holanda, pois não?

Concluindo, por vezes a Taça UEFA pode ser uma competição bem mais difícil que a Liga dos Campeões numa fase inicial, sobretudo quando na UEFA se apanham Olympiakos em Atenas ou assim. Quando surgiu o sorteio, disse que preferia o grupo do Sporting ou do Porto e com razão.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Observador - com o olho do c* (a completar pelo leitor)

Começa a ser um hábito. Por mim, já devia fazer parte do programa de História e Geografia de Portugal no 2º ciclo. Quando o Benfica joga naquele estádio, o mais certo é ser altamente prejudicado. Felizmente, não há regra sem excepção. Desta vez o Benfica foi altamente beneficiado pela arbitragem de Pedro Proença, esse exemplo de isenção, especialmente quando arbitra o Benfica. Fomos ajudados pela equipa de arbitragem no Dragão, não haja dúvida. Yebda, por mim, devia ter ido para a rua e ainda por cima o Suazo tenta agredir com a sua coxa os pitons de Bruno Alves.

No lance da suposta grande penalidade, acho que Reyes faz mesmo falta sobre Lucho. Qualquer pessoa vê que o impacto é tão forte e tão intencional que é falta passível de grande penalidade. Por tudo isto, tenho mesmo de concordar com a nota dada pelo observador a Pedro Proença: 2,4, por prejudicar o FC Porto.

P.S. Agora, um bocadinho mais a sério, acho graça ver a coerência dos andrades: o penalty que Suazo sofreu no Restelo não existe e a falta de Reyes sobre Lucho existe? Ou são os dois ou não é nenhum!

P.S. 2 - Miguel Sousa Tavares escreve hoje n' ABOLA que "Se Proença fosse sócio do FC Porto, o que não diriam!". Não é preciso dizer nada caro Miguel. Sócios do Benfica ou do Porto a arbitrar é normal que errem sempre. Não é normal é que errem sempre para o mesmo lado.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

A lenda d'El Rey D. Sebastião


Reza a lenda que seria num dia de nevoeiro que El Rey D. Sebastião regressaria. Na Luz, o milagre foi mais ao menos o mesmo, mas de proporções bem mais bíblicas. Pedro Mantorras, para quase todos acabado, regressou numa noite de tempestade e fez o que parecia impossível num campo de batalha encharcado como aquele: marcou o golo que colocou o Benfica no lugar onde merece, mesmo que à condição.

Mantorras é D. Sebastião! Eu diria mais: devido a tantos regressos, Mantorras é como Santana Lopes... mas em bom!

Quanto ao jogo em si, foi o que foi. Com um dilúvio daqueles era impossível fazer melhor. Chutão para a frente, fé em Nuno Gomes e num muito batalhador Cardozo (sim senhor, é assim mesmo!). A bola prendia de tal forma no meio-campo que era difícil, se não mesmo impossível, sair a jogar pelo lado dos bancos de suplentes. David Luiz na primeira parte e Maxi Pereira na segunda aperceberam-se bem da situação e sempre que possível recorriam ao chuveirinho. De resto, na primeira parte, destaque para a desinspiração de Di Maria, o que torna muito difícil construir ataques com princípio, meio e fim quando há apenas um extremo puro a jogar. Yebda também continua muito longe da forma que apresentava no início da época e Carlos Martins está, aos poucos a melhorar, tendo sido o elo de ligação entre a defesa e o ataque. Já Rúben Amorim continua incrível, certinho, não compromete e é, para mim, o jogador chave do meio-campo. No ataque Nuno Gomes esteve, como sempre, muito batalhador e Cardozo desta vez também, tendo muita infelicidade na finalização, enviando duas bolas ao poste.



Na segunda parte mais do mesmo, mas com o Rio Ave mais atento ao contra-ataque, devido a um jogo horrível de Yebda. O empate parecia perdurar até ao fim, até que aos 66 minutos, Quique decide pôr Pedro Mantorras em campo. E já está: primeiro toque na bola, primeiro golo. Digam lá se não é talismã. Ele pode estar em condições lastimáveis, e está mesmo, mas continua a ser aquele Mantorras com aquele instinto fatal. E o carinho que os benfiquistas têm por ele ficou demonstrado aquando da sua entrada para o aquecimento, aquando da entrada em campo e ainda quando marcou o golo da vitória. Como disse o Jorge Baptista hoje na SIC Notícias, é um stade cusy!



Até final foi aguentar a pressão do Rio Ave, a inclinação do campo promovida pelo árbitro e a entrada de Bynia. Ainda pensei que fosse para lesionar o Yebda, mas não. Vitória suada e merecida.

Resumindo, este será um jogo para figurar nos almanaques futuros do Benfica, pela carga emotiva que teve. Chorei duas vezes no Estádio da Luz: na despedida do Rui Costa e hoje, com o golo do Mantorras. Obrigado, Pedro.

P.S. Rui Costa (o árbitro) é sério candidato a Dragão de Ouro.

Sobre o Blog

De um benfiquista para os benfiquistas. Este é um blog para todos os que, diariamente vivem e respiram Benfica. Viva o Sport Lisboa e Benfica!

Visitantes



  © Free Blogger Templates Columnus by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP